sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Um ¨causo¨de bailão
















É noite de bailão. O regime deu certo, pois Rosicreyde perdeu meio quilo e conseguiu entrar em sua calça jeans nova,que é vermelha. Coloca uma bluzinha com listras horizontais vermelhas e pretas (cor sim cor não, como dizem). tipo a do Fred Kruger. Enquanto se arruma, seu celular toca, é Herrody Nelvaldo (seu ficante). Então começama falar nos três segundos. Ok, tudo combinado. Rosi segue se arrumando, aí vem sua amiga que está na sala para passar a chapinha no seu cabelo. Começa então a maquiagem: sombra, base, pó de arroz (eu disse pó de arroz) e não podia faltar batom em quantidade de pá-de-concha (como diz um tio meu) e daqueles bem rosa pink (que brilha no escuro), lançamento das revendedoras dos cosméticos ¨FON FON¨ (que por sinal, todo mundo tem uma vizinha que é revendedora de cosméticos ¨FON FON´, diga-se de pasagem).
Ainda ¨farta se aperfumá¨, que Rosi, ... esqueci, ela prefere que chamem de Rosy.. bueno, continuando... Rosy (com Y, como ela gosta) tem dúvida entre Alma de Flores e Amor Gaúcho. Na dúvida vai os dois.
Não demora muito, e chega Herrody Nelvaldo (vulgo Edy, também com Y), na Variant do seu chefe e com alguns amigos. Enquanto a moça se arruma, ele fica na sala com os sogros e os amigos. Por sinal, o sogro já está ¨duro de fanta¨ (expressão utilizada no Rio Grande do Sul que tem a mesma função semântica que “bêbado”), mas não vem ao caso, não tem nada a ver com o causo, pois a ordem dos tratores não altera o viaduto, quer dizer, a ordem dos fatores não altera a hipotenuza, ou os catetos, ou o produto... bom, deixa pra lá, eu não gosto de matemática, mesmo. Resumindo: o véio estava meio bêbado. Bom, Edy está com sapatos brancos, carpim marrom, calça quadriculada (tipo as do Augustinho da Grande Família) e uma dessas camisas de pagodeiro. No pulso direito, um relógio “cebolão”, tipo os do Faustão, porém da classe econômica, no outro uma pulseira dourada (se é de ouro já não sei...) Não pode faltar o cinto com fivela cowntry e a fatiota (pra quem não sabe é paletó) cor de tijolo.
Bueno, a moça se apronta e o povo vai. São Edy e mais dois amigos e Rosy e mais três amigas. Primeiro teve que acomodar esse povo na Belina. Opa, esqueci, era uma Variant. A primeira coisa foi o arranque, que teve que ser removido e colocado no fundo, depois do banco de trás, mas logicamente depois de exercer sua devida função no elegante automóvel. Deixe-me explicar, o ¨arranque¨ eram os dois amigos de Edy, que sempre que tinha que empurrar o carro, cujos nomes: Óschinto e Dyôn Lêno.
Depois do feito, pararam em um bolicho (pra quem não sabe, bolicho é uma espécie de bar, armazém ou estabelecimento do tipo, onde se vende de tudo um pouco, ¨sortido que nem baldeação em Cacequi, como diria o Analista de Bagé¨) e compraram um refrigerante e uma cachaça do tipo ¨bariga mol¨(marriga mole - aquelas que vem em garrafa de plástico, bem bagaceira mesmo. Para poder efetuar a compra, fizeram uma vaquinha e cada um deu um Pila (Pila, segundo dizem, é uma moeda que circula paralelamente no Estado do Rio Grande do Sul e tem a mesma cotação do Real), foi feita a chamada concentração, pra não gastar dinheiro no baile. Ah, chega na porta bo bailão, os preços:
HOMENS: 3 PILA
MULHERES:NÃO PAGAM
O porteiro é um ¨coroa¨desdentado, com um colete e um cacetete na mão. Bueno, as gurias entraram tranquilamente. Os très caras sofreram a ¨revista¨, e ainda um dos seguranças passou um desses detector de metais portátil, que parece um aspiradorzinho de pó. O detector fez alguns barulhos fora do normal, aí o segurança deu uns tapas e voltou ao ¨normal¨.O problema é que o produto era chinês e a nota fiscal era de um revendedor paraguaio. Sei que o aparelho apitou, mas não era nada mais que a fivela de Edy. Bueno (esse bueno já se tornou um vício de linguagem, e se isso fosse uma redação de vestibular eu já estaria reprovado), o povo pagou a mesa e foi se acomodar. Dyôn foi até a copa comprar umas cervejas e no balcão havia um balaio cheio de camisinhas. Lêno nem pensou duas vezes, pegou um punhado e colocou no bolso do casaco. Chegou até a mesa com as cervejas e os copos e deu duas camisinhas pra cada um dos companheiros.
Enquanto isso, Roxane (amiga de Rosy) tira da bolsa uma carteira de cigarros da marca ‘Oliú’ (eu disse ‘Oliú’, como o povo diz). Antes de começar o baile, vai rolando uma musiquinha ambiente, vai o povo chegando o povo e se acomodando.
Silencio, luzes no palco e ouve-se uma voz:

- Teste! Som! Som! 1, 2, 3! Teste! Som! Alô!
Uma microfonia interrompe. As luzes se apagam e ascende só um canhão de luz que ¨alumia¨ um sujeito no palco. O sujeito deve ter 1,80 m de altura, cabelo com gel (ou Gouméx) penteado para trás, barba feita, óculos (desses tipo ¨raiban de brigadiano¨, os chamados Amber Vision. E pra quem não sabe, brigadiano é PM no Rio Grande do Sul), bigode e seu sorriso ostenta um dente de ouro. Tem um ombro ligeiramente mais alto que o outro. Seu paletó é de microfibra e tem finas listras brancas verticais (estilo Al Capone), afinal, alguma coisa tem que ser elegante nessa história. Usa uma camisa com gola italiana, estampada com amebas e botões abertos até a altura do peito. No pescoço uma corrente dourada, no pulso esquerdo um relógio dourado e no direito uma pulseira também dourada. Em uma das mãos trazia um charuto aceso, que com certeza não era cubano. Na sua fivela dourada vinha seu nome escrito em diagonal: Nérso Sirva, seu nome era também o nome do bailão. Bailão do Nérso Sirva, a melhor casa de baile da cidade e região, onde ainda existe os ¨baile de família¨. Seguindo a descrição, tentando não perder a linearidade da coisa. Bueno, sua calça é azul, tipo de motorista de ônibus. O seu sapato preto de bico fino estava lustroso como “cusco” (no Rio Grande do Sul, cusco significa cachorro) de cozinheira, porque a tarde passou pela praça e o engraxate Bozó deu uma caprichada na escova (engraxate Bozó é um personagem real e famoso, do ambiente urbano da cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul). A descrição faz até lembrar o Wander Wildner (gaúcho, ícone do rock gaúcho, foi vocalista das bandas punk gaúchas REPLICANTES e SANGUE SUJO. Hoje ele é cantor de punk rock brega), ou o empresário Miranda, do filme Os 2 filhos de Francisco. Com sua voz grave, Nérso Sirva começa a falar:
- Muito boa noite amigos e amigas do meu coração. É satisfação ver a casa cheia, “derramando gente pelas chinelas: 2 par dançando”! É com muito prazer que a Casa de Shows Nérso Sirva traz pra vocês a Banda Magia de Baile, lançando seu novo CD “Valsa, amor e cerveja”, campeão de vendas. Prepare seu coração, é pra bailar gurizada.
Surgem efeitos especiais no palco e a música começa. São vários músicos, cabe descrever seu uniforme: camisa cor de laranja, calça e coletes brancos. No corte de cabelo não há muitas variações, os que não usam o topetinho amarelo (tipo o do Chimbinha, da Calypso) usam um mullet (tufinho de cabelo ligeiramente comprido (e ridículo) na nuca, tipo os antigos do Chitãozinho & Xororó. O que importa é que eles começam a tocar e o povo a dançar. Uma das regras é que não se nega dança. Então um sujeito larga o copo na mesa, tira o palito do canto da boca e vai tirar aquela loirinha pra dançar. Começam a bailanta e o diálogo, ela pergunta o que ele faz da vida:
- Qual é o teu ramo?
- Ora, eu so dotori!
- Ué, mas dotori do que? Dos rinho, dos filgo, do zóio?
- Eu so dotori de hospitali, que é dotori de tudo isso que tu disse.

E seguem bailando. Próximo da cidade do baile há uma colônia de alemães, e alguns falam português com sotaque bem carregado. Então, no outro canto da sala, enquanto o par baila, vai trocando idéia:
- Como é que é teu nome, “cúria” ? [TRADUÇÃO: como é teu nome, guria?]
- O meu nome é “Chissele”. [T: meu nome é Gizele]
- Então tu é tocaia “ta minha moto”. [T:Então tu é xará da minha moto – fazendo alusão a moto XL].
Há também colônias de italianos, que também falam com sotaque carregado. São também chamados de gringos, e um deles trabalha na copa. E eis que chega outro da mesma etnia para comprar bebida:
- Mi dá um copo di vigno. [T: Dá-me um copo de vinho].
- Di garafa o di garafón? [T: de garrafa ou de garrafão]
- Di garafón qui é mais amargón. [T: de garrafão que é mais amargo]
- Mais alguma coza? [T: mais alguma coisa]
- Uma fatia de quezo i polenta. [T: uma fatia de queijo e polenta].
Segue o baile com seus pares caricaturais dançando ao som de “Valsa, Amor e Cerveja”. Em meio a desordem, os casais os casais vão se batendo sem querer uns nos outros. De vez em quando alguns marmanjos se exaltam e começa alguma peleia, mas o segurança coloca a indiada pra fora e segue o baile.
Rosy e suas amigas vão perceber que a chapinha de cabelo vai perdendo o efeito e a maquiagem está se borrando, então se dirigem ao banheiro. Roxane tira da sua bolsa uma bisnaga de mostarda, mas o conteúdo era Neutrox para passarem no cabelo e assim fazem. Também retocam de pá-de-concha o baton rosa pink cintilante. Depois da típica demora, voltam para a mesa.
Sempre tem aquela gurizada que vai pra aprontar e dar risada. Essas casas de baile antigas, ainda tem na parte de fora, longe da sala de, a “casinha”, onde o pessoal faz as necessidades, também chamada de patente. Então quando o banheiro está lotado, se tem duas opções: mija nos “arvoredi” lá fora ou na patente. E sei que o seu Dorival já andava meio borracho e quis dar uma mijada. O banheiro estava longe e ele com preguiça de ir nos “arvoredi” então estava indo até a patente. Acontece que a gurizada empurrou a patente alguns centímetros para trás, algo que não poderia se notar na noite.
Então seu Dorival abre a porta da “casinha” e quando dá o próximo passo cai num buraco cheio de merda. É motivo de riso pra quem presencia, então começa a rogar praga contra todos. Bueno, segue o baile.

[TO BE CONTINUED]
BREVE MAIS CASOS DE BAILÃO

3 comentários:

  1. Demais Zeca... Aki em ksa o pessoal adorou, principalmente o lançamento da Banda hehehe!!
    Saudad... Escreve mais q ta loko d bueno hehe

    ResponderExcluir
  2. E aí Zeca, tudo certo? Gostei do teu blog e queria trocar uma idéia contigo. Sou técnico em Radiologia Médica, moro em São Vicente/SP mas trabalho em Santos, cidade vizinha. Fiquei sabendo de um projeto por aqui para estudar Medicina em Cuba e quero saber de vc como é... qualquer coisa me add no msn: andreluizsj@msn.com
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Eu quero maiis histtória do Bailao!!:D
    Tá muiito bom seu Zeca!!
    Te cuuida guri. Bjo.

    ResponderExcluir